Século XX

No ano de 1900, a freguesia do Beato tinha 2215 fogos e 10398 habitantes.

A revolução republicana de 5 de Outubro de 1910 ficou assinalada na freguesia por combates na Alameda do Beato, entre os revolucionários civis e a polícia, emboscada na Manutenção Militar.

Já em 1922 são suprimidas as barreiras fiscais à entrada da cidade e em 1925, arrancava a terceira fase de construção do Porto de Lisboa.

Em 1933, na Vila Maria Luísa existia uma escola primária para rapazes (Escola Primária nº 20).

No início da década de quarenta, iniciou-se a construção da obra do bairro social da Madre de Deus, abriu-se a Av. Infante D. Henrique e começou a ser executado o Plano de Melhoramentos do Porto de Lisboa. Nos anos 50 é inaugurado Mercado de Xabregas e a remodelação administrativa da freguesia, em 1959.

A inauguração do caminho de ferro, em 1856, foi um acontecimento histórico marcante pela dinamização da indústria e da modificação da paisagem local. A partir de então foram construídas inúmeras fábricas e surgiram bairros operários.

A população residente no Beato aumentou substancialmente, entre 1801 e 1991.

Contudo, houve quebras demográficas nos censos de 1920 e 1960, resultantes da redução da área da freguesia, com a criação da freguesia Penha de França, em 1918 e com a remodelação administrativa de 1959.